sexta-feira, 3 de abril de 2009

Pax

A velocidade espantosa das coisas... a emoção,
Alheio mas intenso, sinto a vida a soprar,
Um abismo se abre em meu próprio espaço, profundo,
Sinto ele a brilhar como a vida, a calma ele me traz.

No meio de um caos íntimo e preciso, ainda pode reinar a paz,
Envolto entre quatro paredes e acolhido por sentimentos...
De vida e compreensão e de tudo o que isso me faz,
Enquanto a janela esconde a luz, lágrimas e pensamentos.

Posso escutar meu próprio alento, e o frio invade meu corpo...
E onde reina o barulho absoluto nasce essa visão:
As luzes e o silêncio traem meus sentidos,
Penso em mim, na vida, e nessa breve solidão.

Em como faço reinar aqui a força e a certeza,
E de antemão da forma como tudo acaba, certo ou incerto,
Ou estranho ao coração,
Como tudo foge de nossas mãos e vai e está sempre além.

Num cenário majestoso, a cadeira, a cama arrumada,
A penteadeira, os pratos, o chão e a mesa, cena inacabada,
Quadros abstratos são a janela que me permite olhar,
Além de meus próprios limites... que nada temem, nada tem.

Guardo em mim a força que através da noite ilumina,
Como uma breve luz, uma vela acesa,
Como ela, nada é em vão...
Nela ainda reside a maior beleza.

falling boy...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!!