quinta-feira, 30 de julho de 2009

Teresa e o Aquário

Perplexo,
Caminho sobre os espinhos, como quem caminha sobre a relva.
Selva da minha estrada, caminho que não encontro, minha selva.
Queria saber do futuro, das coisas que não entendo, finjo que conheço sem conhecer... eu mesmo.
Combato inimigos invisíveis da minha própria batalha.
Separado por meus próprios muros não sou mais duro do que aqueles que de mim se afastam.
Incompreensões além do meu entendimento preenchidas pelo silêncio.
Página em branco, lembrança vaga.
Fogueira que sobe aos céus e retorna, e se torna cinzas. Vida asfixiada.
Rio... rio da minha própria vida, a graça está em ser um peixe fora d'água.

fAlliNg.BoY

Teresa e o Aquário: Tudo é alegria, tudo é ilusão, que bom seria se eu tivesse um (coração).

Infinito

Deus se une a mim em seu explendor,
E não suficiente se une a minha dor,
Para que em mim não reste,
Nenhuma mágoa, nenhum mal.

E com meu sentimento contrito,
Sem ninguém além do teu ombro amigo,
Tudo está enfim perdoado.

Meus olhos vermelhos não mais escondem,
Transbordam e vão até onde está meu coração,
Infinito.

fallinG..Boy

Destino

Volúveis são as águas,
Que correm, simplesmente correm,
Sem destino e direção, sem desejo.
Volúveis são as lágrimas em meu rosto,
A volúpia em meu corpo,
À espera do teu corpo e do teu beijo.

.falling.boy.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Motores...

Rotações,
(Des) complexidades, emoções transformadas...
Pedras no espaço sideral da mente incógnita,
E quedas, no espaço abissal da mente, infinita.
Derivações implícitas descoordenadas,
Circulares explícitas... são as sementes do amor,
Flores no caminho, desconstruídas,
Inacabadas.



falling boy