quarta-feira, 28 de julho de 2010

Desabafando...

Todos sabemos quando não se pode cruzar a estrada, ir além do permitido, do aceitável, dessa linha invisível que teima em dizer onde está e nos convida traiçoeiramente a buscá-la.
Atos impensados, inaceitáveis acontecem,e acontecem somente para a tristeza e o arrependimento que vem depois, a culpa.
Jamais fui perfeito, já fui e ainda me sinto em certos momentos inseguro, frustrado. Por besteiras, por imaginar coisas que sequer existem... e quando isso envolve sentimentos...como isso dói.
Apesar de tudo, jamais deixei de ser quem sempre fui, um homem bom.
Aquele que sempre amou incondicionalmente desde o primeiro instante.
E que apesar de tudo relevou as surpresas do caminho, mesmo elas sendo não tão agradáveis, e seguiu adiante. Hoje eu vejo que isso não tem mais a importância que tinha, no momento em que aconteceu. Os valores mudam, e por mais que se diga que as coisas não se esquecem, uma hora elas passam.
As vezes me pergunto o porquê dessa teima em ficar buscando o passado, se pra mim ele foi tão sofrido.
Escrever um desabafo não está sendo fácil, me sinto desde então como se estivesse morrendo por dentro.
O meu coração ferido, em pedaços, magoado, pequeno, desamparado. O pior de tudo é saber que eu causei isso a alguém.
Quando o coração leva um baque é difícil levantar, mas não impossível. Eu acredito imensamente nisso, eu sei que a vida é assim.
No fundo acho que gostaria de ajuda, mas nem eu entendo isso. Procuro entender as razões mas não consigo... no fundo elas não existem. Jamais existiram.
O que houve foi a insegurança e o medo, transformados em um ato covarde e estúpido, desnecessário. Mas e agora, o que eu faço comigo?
Não quero me sentir culpado eternamente, como se fosse a pior pessoa da face da terra, se bem que as vezes isso pode ser verdade. Por outro lado, que bom que a culpa não dura pra sempre.
Mas eu não acredito, nunca vou acreditar nisso. Prefiro pensar que essas coisas acontecem pra chacoalhar a gente e nos mostrar realmente qual é o nosso lugar. De verdade.
O arrependimento e as lágrimas curam, tenho certeza que sim. Mas o que cura ainda mais é o perdão.
Uma pena que eu não seja tão bom quanto as vezes gostaria, ser assim todo o tempo é impossível. Teoria abstrata.
Ninguém neste mundo é perfeito. E que bom que eu também não seja.
Eu sei que certas atitudes não se esquecem.
Do fundo do meu coração continuo sofrendo muito pelo meu erro, somente rezo e peço a Deus que tudo isso passe, e que o tempo ao seu tempo se encarregue de curar qualquer mágoa que houver, e que como muitos dizem e repetem, feche as feridas. E que tudo isso se transforme em passado, bom pra ser esquecido.
Eu não quero machucar ninguém, não quis, quem dera pudesse voltar atrás e consertar as besteiras que fiz.
Só quero ter de volta a pessoa que eu amo. É isso o que eu mais quero nessa vida.
Tudo o que eu não quero novamente, agora, é a solidão.



FALLING BOY

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Voz

Por que voas em silêncio?
Em vão, se não sabes onde ir,
Não sabes a direção?
Tua voz é certeza,
Daqueles que mesmo digam,
Ninguém verdadeiramente os ouve.






falling-boY