quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Olho pro céu...

E por quê?
Ah... nem sei,
Essas coisas acontecem neste tipo de lugar.
Eu estou amando!
E por que não?
Teu nome, guardo aqui na memória.

Aqui na solidão, penso em ti.
Penso em nós... em nós dois...
Meu amor.

Madrugadas que se tornam manhãs,
Que se tornam noites...
E eu penso em ti. Em estar contigo.
Afinal de contas... são regras da casa.
A vida tem dessas coisas.

Eu sei você tem muito pra dizer,
Mas eu não tenho muito pra te dar.
Não olha pra mim, eu te amo.
Não olha pra trás,
Eu te amo. Estou aqui por ti.

Abraço o teu travesseiro,
Contra o peito,
Bem forte só por causa da dor.

Afinal...
Você ficou aqui, onde estou.
E eu sinto em tudo o que vejo,
A tua presença.
E eu penso em ti.



F.A.l.l.!.n.g...B.0.Y

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Sol...

Se acaba, não.
Tudo é um eterno recomeço...
Nós é que somos finitos.
Corpo aberto, infinito,
Tudo o que vai deixa o espaço para o novo.

O futuro, se existe é como uma planta,
Assim penso.
Que cresce pouco a pouco,
Até o dia em que se torna plena.

Nossa vida, mesmo que as vezes pareça,
Nunca é pequena, segue adiante.

Precisamos de coragem, pois,
No dia em que formos apenas lembrança,
Restará apenas na memória aquilo que fomos.

De podermos ter sido de alguém a esperança...
Sermos um sol que brilha. Eterno. Incessante.



f.a.LL.!.n.G)*|**|*(bOy