quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

A alegria dos sozinhos

Alegria de se estar sozinho?
Sinto uma tristeza inexplicável!
Estou aqui, inconsolável,
Um céu negro paira sobre mim.

Tanta dor, tanta incompreensão,
Lutar sem forças traz só desilusão,
Um sentimento apenas...
Sem fim.

A quem se reserva julgar,
Sem ao menos conhecer,
Tem olhos que que não sabem ver,
Que não entendem a verdade!
Que não sabem enxergar.



Para ler ouvindo - Live - Operation Spirit




FAll!Ng.bOY







quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Freedom Number Seven

Confiar em si mesmo,
Querer viver,
Viver a vida bem.

Quebrar regras,
Acredite,
Todas as regras.

A liberdade pode ser sim, transgressora.
Rebelde,
Sem limites!

Eis uma palavra que desconhece significado...
Não possui temor nem lado.






faLL!ng}{b()Y

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Alucinações sobre o Nada, ou Berenice

Uma mulher exclusiva e incensada. Uma hipster da  poesia e agricultura.
Eu, Berenice, a bipolar, a original, a pura!
Muito prazer. Enchantée.

Começo assim, inspirada e catastrófica:

Eu, Berenice Agricultora:

Com esse sol cheio de glamour eu queria me bronzear até ficar vermelha. Estar na praia e virar croquete de areia, comer frango embaixo do guarda-sol.
Ou talvez ser a louca desvairada do mato. Brincar de campeonato!
Comer cogumelos alucinógenos e pitangas radioativas, fumar manjericão até ter uma bad trip, ou beautiful, sei lá. Tô meio confusa.
Sou uma versão mentirosa de mim mesma, certamente.
Enfim. Tudo que é bonito me comove.
Preciso me distrair um pouco da realidade, preciso algo que me renove.
Vou incorporar na dança da manivela enquanto fizer o ritual de purificação da farinha. Vou ser a diva de uma seita vegetariana qualquer e arrasar na cozinha.
Vou ser a fina flor da nobreza.
Virar amazona do agreste cavalgando porcos. Vou puxar as tetas das vacas. Estar em contato com a natureza.
Sempre sonhei em ter uma vida bandida capinando. Já imaginaram ter uma plantação de cenouras para sonhos eróticos? Ou ser uma pistoleira de mandiocais?
Vou me jogar no rio pelada, nadar em rumo ao nada, penso eu. Me afogar. Fazer coisas legais.


Termino assim, repetitiva e escatológica:

Eu, Berenice Poetisa:
(inspirada em Hilda Hilst)

Numa linda tarde sombria,
Na aldeia de Jancacú,
Nascia um lindo menino,
Com o lindo nome de cú.

Aos nove anos de idade,
Inteligente, pra chuchu,
Todos se admiravam,
Com a inteligência do cú.

Aos dezoito anos de idade,
Na carreira militar,
Com muito esforço e esmero,
O cú começou a brilhar.

Numas daquelas batalhas,
Aquela, de Jaburú,
Veio uma flecha perdida,
E furou o olho do cú.

No dia do seu enterro,
O General Jancacú,
Leu uma prece comprida,
Enfiou uma vela no cú.


PS:. Estou encantada comigo mesma. Isso é tudo. Preciso me acalmar da overdose de lirismo antes que seja tarde demais. Nada é o que parece ser.
Hoje estou altamente poética. Não vá se contaminar.




"Para ler ouvindo: Guns n' Roses - Welcome to the Jungle"




fall!n.G.b()y



sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Freedom Number Six

Não existe amor...

Mais sincero,
Do que ter,
Ou dar liberdade.

Que ela seja realidade,
E que comece comigo.

Devemos pensar nossa transformação,
Cuidar da própria sorte.

As coisas mudam.

A vida é tudo!
A vida é forte.







fall!ng~b0y

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Incompreensível ou Não

Às vezes,
As coisas tem uma forma.
Ininteligível...
Incompreensível, mas o que importa?

O que conta,
No final,
É que mesmo que demore,
Elas mudam pra melhor,
Mesmo.

Mesmo!
Quer encontremos uma razão,
Ou não.
Basta viver. Elas acontecem.


A alegria não tem mistérios!





faLL!nG>>b()y

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Ponto Final

Sou um ponto que dá fim às frases,
Mas sou arredio,
As vezes, bem de vez em quando,
Eu me rebelo!

Dou um jeito de sumir e continuo,
Me torno maior...
Coloco em mim novas idéias e volto à aparecer!
Na verdade queria ter nascido vírgula,
E saber organizar meus pensamentos.


Não queria nunca ter que ser um ponto final...
Pontos finais não sabem ser alegres.






FALL!NG.B0Y

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Às Luzes

Permanência de se estar,
É ficar em si mesmo.
É amar.
É sempre estar construindo...

Pontes em direção aos outros.
Luzes, no caminho, às vezes cegam.
Apenas vejo aquilo que quero,
Afinal, a escuridão sempre se torna dia.



faLL!ng.<|>.b0Y

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Castigado

Enquanto vive,
Na esperança do futuro,
É castigado pela culpa,
De tudo o que sonhou e não viu,
De cada coisa que sonhou em conquistar.


Não soube se arriscar,
E todo o sonho foi ilusão,
Transformou-se em perdedor,
Pouco a pouco...
Seu brilho se apagou,
No anseio de ganhar.





f@ll!nG..b0y

sábado, 3 de novembro de 2012

Exatamente

Atento à seus pensamentos,
Sem pensar no amanhã,
Um homem anda,
Pela calçada, na rua escura.

Exatamente no momento,
Em que outras vidas que desconhece,
Caminham na direção contrária,
E lhe olham nos olhos.

É um eternos solitário,
Descobrindo à si mesmo...
Em busca do amor,
Em busca de remédio para sua silenciosa dor.



falling#b0y

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Razões

Por fazer algo errado,
Por se arrepender, ou nem sempre.

De ter opinião,
Preconceito,
Defeito.
Ou qualidade.

De estar certo,
De estar perto,

De estar longe.

Ter a razão nem sempre ajuda a viver.



f@ll!nG°b0y

sábado, 23 de junho de 2012

Colors in Life

A palavra não preenche o vazio, somente a presença.
É etérea, não tem cor, nem forma.
Se transforma.
Existe por acaso uma vida sem cor?
Serei eu uma vida em branco?
Queria aprender a colorir palavras...
Como uma criança...

falling!b0Y

terça-feira, 22 de maio de 2012

Freedom Number Five

O mundo é imprevisível,
A sua beleza,
O assombro,

O conflito.

Estar prestes a cair,
Ou também a levantar-se.


Eis o mistério...



falling b0y

Para ouvir lendo - AC/DC - Soul Stripper

terça-feira, 15 de maio de 2012

Freedom Number Four

Dar forma ao pensamento infinito,
O essencial é o essencial e apenas.
Sentir...
E que isto,
Nunca perca o sentido.

Sentido de corpo e alma,
Leveza de espírito.


"A realidade é crítica, naturalmente. Uma tentação."

Para ler ouvindo:   Sonic Youth - Making the Nature Scene



fall!nG.B0y

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Freedom Number Three

Nunca fui livre,
Porém,
Sempre tive em mim o desejo,
De liberdade.

Há muito espaço em mim para a dúvida,
Mas sou completamente a vontade,
E o desejo,
De estar além.

A contagem do tempo é irreversível,
Ainda assim,
Luto pela vida.
E por não passar despercebido,
Neste mundo.

Em breve haverá alguém,
Que sequer lembrará das coisas que sinto.



falling¨¨*%*¨¨b0Y

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Freedom Number Two

Estar invisível,
No meio de tantos alguéns...
Sentir em sua alma,
 A liberdade.

De estar em paz,
De consciência livre,
Sereno,
Ter em si a calma.




f@ll!ng¨¨%¨¨b0y

sábado, 5 de maio de 2012

Freedom Number One

Número Um:

 Liberdade,
A liberdade é o silêncio,
O nada; é meu segredo,
Absoluto.
Sou eu e você.


fall!ng&¨¨)(_)(¨¨$b0Y

terça-feira, 27 de março de 2012

After All

Nobody pays attention to what's worth,
If you feel blind, you can think:
Nothing's really good when it's left behind.

Talking to yourself is a virtue,
Better than talking to an absent audience.

A violence,
Feel like a lonely actor, pretending to be loved.
After all you're alone, you're sad.
You're dead.

Nobody pays attention to what's worth.


Falling|+|Boy =\

sexta-feira, 23 de março de 2012

Rumores

Realmente quero estar contigo,
Mas me sinto tão cansado, por coisas que não sei explicar.
Apenas por não te alcançar. E me sinto tão pequeno.
Me dedicar ao meu modo, e ser apenas mais um.
Entre tantos.
Às vezes imagino, isso é tudo que posso ser.
Rumores estranhos de algo que não posso entender.
Mas tento, ser meu melhor a cada dia.

Penso fazer algo de relevante, e mesmo que não seja,
Meu amor existe!
Te dás conta disso?
Tudo isto é por ti... e por não te ver mais triste.

(As vezes acho que a solidão mostra seus sinais irreversíveis!)




"Flowers in the space, don't feel the ground, don't show their beauty..."



|| f.@.l.l!nGBoY ||

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Sobre a vida... sobre o tempo

Ser forte e corajoso é pra qualquer um. Vivemos tentando ser essas coisas e nos enganando.
Outra coisa óbvia é que o tempo nos dá a sensação, a ilusão de ser mais lento.
Quando estamos vulneráveis e fracos tudo só piora. Fora isso tudo bem. Tanto faz ganhar ou perder.
Também penso que tentar fugir de si, pode ser ao mesmo tempo se encontrar.
Já não sei mais nada, tudo é estranho e difícil.
As coisas e as pessoas não são mais as mesmas... as coisas não mudam, mesmo que às vezes pareça.
Tudo parece tão bom, tão ruim, tão perto, tão nada.
Nem tão alegre, estou longe de mim.
Semelhantes nem sempre ajudam, e eu estou sozinho.
Me recuso a acreditar nesta frase. Apesar dessas coisas mantenho dentro de mim a força ou a vontade de tê-la.
Somente eu escuto minha própria voz e compreendo como me sinto, ninguém mais.




" Sobre a mesa um copo de café,
Vazio, frio como a noite,
Como a solidão em meu quarto,
Gritando silenciosa,
Em minha própria casa."


(ano bissexto - 2012)


(dica do dia para cada um: praticar um pouco mais a auto-indulgência.)




fall!ng...b0Y

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Nonsense Pills - Part 11

1. Ter a consciência limpa.
Depende muito. Tem uns que precisam de faxineira pra ajudar na limpeza.

2. Devagar se vai longe.
Se vai longe, mas só quando se sabe onde vai. Se pode também ir rápido se a viagem for mais curta.

3. O que é que consegue deter a queda de cabelo?
O chão.




"just like... wondering and thinking of dirty, suspicious minds".
by Elvis P.




falling(_/_)(_\_)b0y

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Buraco sem Fundo

Será que o entendimento hoje se tornou um buraco sem fundo?
Temos a falsa sensação de que evoluímos ao longo do tempo, mas continuamos se não estagnados, regredindo.
As discussões são cíclicas, chega certo momento em que se repetem as mesmas falácias.
Falo de tudo o que se vê por aí, e todos os que defendem com unhas e dentes seus pontos de vista como se fossem a única salvação da terra.
Estamos na era do auge do ridículo, pessoas se ofendem justificando opiniões, se achando extremamente intelectuais.
Discursando sobre todo esse lixo que já fizeram para nosso consumo.
Se julgam intelectuais, mas que escrevem errado e se acham os donos imortais da razão.
Defender opiniões agora na maioria das vezes é sinônimo de ofensa, humilhação, mostrar superioridade.
O problema é que a grande maioria defende um moralismo careta, busca distância da diversidade e bate no peito com orgulho. Uma pena.
A última moda são pessoas se trucidando em um palco de horror, em nome de um esporte ou nem tão esporte assim, vistas por bilhões de pessoas que acham tudo maravilhoso e perfeito. Normal.
Não conseguem ver que tudo isso é feito apenas pelo dinheiro, espetáculo sujo e indigno, jogada de consumo que não tem nada de bonito.
E mesmo assim todos simpatizantes aplaudem de pé.
Posso estar sendo exagerado e não sou nada inteligente, me desculpem, sou apenas comum.
Acho que já atravessamos o fundo do poço no nível de cultura e respeito toleráveis para aqueles que se dizem civilizados.
Sinceramente não sei o que dizer, precisamos aprender a ser civilizados uns com os outros. Respeitar opiniões, filosofias de vida, gostos, amores, escolhas é uma utopia deslavada, algo extremamente difícil. Temos e vemos a semente do preconceito em tudo.
Mesmo assim precisamos deixar de ver a violência e a banalidade da vida como coisa normal. Preciso ser bem maior do que tudo isso. Perder tempo só com o que me faz bem.
O bonito mesmo, é ser diferente.



fall!NGB0Y )(

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

A cor cinza

Hoje o céu está com uma cor bonita de cinza aquarela, e a chuva cai lá fora. Posso ver aqui de onde estou.
Jamais pensei que fosse gostar de coisas assim.
Dias de chuva podem ser bons, mesmo que essa beleza que vemos esteja escondida.
Ver o lado bom de tudo depende somente de nós mesmos. E sermos bons também.
O dia hoje esboça seu sorriso peculiar. Aprendamos a sentir esse momento.
Tudo se repete e me ajuda a entender quem sou. Se repete e te ajuda a entender quem és.
Paz e alegria!



fall!ng.b0y

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Errado (pas de problème!)

As coisas dão errado.
Isso é óbvio, mas é sempre bom afirmar isto de vez em quando, pra não fugir da memória.
O que não sei explicar é por que elas dão errado. Alguém entende onde quero chegar?
Falando em memória acho que às vezes ela nos prega peças. Acontece de acabarmos esquecendo das coisas importantes, ou talvez nem tanto.
Tipo uma anorexia mental, que esgota a gente que tenta ser um cara bacana e tudo e tal. Errar é muito humano e ficamos reféns de nós mesmos.
Temos exigências demais conosco, seres comuns, mas sabe como são as coisas, tudo passa.
Tudo acontecendo ao mesmo tempo é por demais insano.
Deixamos coisas pra trás e por mais que se tente dizer ok, mas quem é que não vai lembrar disto? A gente mesmo acaba esquecendo de tanta coisa e de vez em quando somos jumentos, concordem.
Não podemos confiar nas lembranças. Elas às vezes nos causam problemas, e ter problemas pra resolver nem sempre é sinônimo de competência ou sucesso.
Às vezes coisas importantes que precisamos saber simplesmente desaparecem pra não mais voltar.
Melhor nem comentar essas coisas que não são boas.
Precisamos estar acima dos pobres mortais e não digo isso por ser diferente nem por destaque ou por qualquer coisa que seja. Não vejamos isso como pressão cotidiana.
Tudo o que for viável para a satisfação e a nossa alegria, ótimo. Precisamos gostar de nós mesmos, nos achar interessantes, feios, bonitos, ridículos até. Tudo ótimo pois isto nos faz bem.
Precisamos nos elevar e pensar só no bom e no bonito dessa vida, e também no barato, se for o caso.
Aquilo que a gente precisa pra se sentir útil é sempre ter que fazer alguma coisa?
Veja bem, nem sempre se está no espírito de se fazer algo decente e convenhamos, erros acontecem com todos nós.
Eles teimam sempre em estragar a gente e tudo o que está ao nosso redor.
Em certos momentos podemos até adorar a possibilidade impossível de que, se eles tivessem evaporado do dicionário seria lindo por serem incômodos por demais e atrapalhar nossa vida.
Mas enfim, negócios à parte, eles até tem seu mérito.
Eles nos ajudam sim e, se entendermos as coisas da forma certa, eles podem até nos tornar pessoas melhores.
Então queridos problemas, eu vou lhes dar um aviso certo?
Não nos enlouqueçam pois não queremos cansar nossa beleza interior pensando em vocês, seus ordinários.
Sejam legais, e se tiverem que aparecer que seja bem pouco, obrigado.
Agora precisamos voltar pra vida normal, com licença.



(em vertigem mental inconsequente...)


fa((!n6 bOY

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Virar Socialite

Nesta manhã ensolarada de trabalho estive pensando em como buscar formas de enriquecer. Já que a coisa anda tranquila e permite ter estes luxos. Ter tempo pra pensar nessas coisas em pleno expediente é algo raro. Tempinho livre para divagar sobre objetivos, ou seja, coisas que se almeja conquistar mas sem ter idéia de método e do exatamente como.
É sempre a mesma coisa a cada início de ano, novos velhos objetivos.
Ter o corpinho sarado dourado do verão, um grande amor na vida e a conta do banco recheada ao ponto de estar despreocupado com esse detalhe da vida.
Isso significa viver... só viver mesmo. Viver direito.
Imagine a situação de toda pessoa que em sã consciência precisa de grana. Quem é que nunca quis ser rico, bem sucedido famoso capa de revista?
Queria ser mulher e virar socialight. How beautiful it would be.
Agora... ser bem sucedido nos negócios é outra coisa, bem diferente e distante da realidade comum. Distante exatamente por isso: que raios de negócio será esse, que não me aparece num acesso raro de clarividência?
Se alguém descobrir o que é esse tal de negócio me avise.
Incrível foi estar estes tempos em off da vida, há bem pouco tempo atrás, e ter sonhado nitidamente ser o marido da Elisabeth Bishop, escritora famosa e estar em uma casa de campo maravilhosa, sem razão ou explicação aparente.
Estávamos lá nós dois, sentados conversando e tomando chimarrão, veja só o disparate. O chimarrão devia ser inglês eu acho.
Seria ótimo se não fosse apenas um sonho. Melhor ainda seria se não fosse o detalhe de que ela era lésbica convicta.
Portanto eu estava no lugar errado, com a pessoa errada. Lugar lindo mas a situação nem se fala.
Acabou ali mesmo o meu mais novo objetivo de 2012 que caiu no lugar comum de qualquer pessoa e que é... pensar em ganhar ou apenas ter, dinheiro. Ter não é nada fácil. Sonhos são apenas sonhos, não probabilidades.
Por enquanto vou vivendo a rotina, despreocupado com esses objetivos made in china: que são iguais aos que todo mundo tem no ano novo. Tipo feitos em fábrica.
É... até nos objetivos, mesmo que novos, as coisas se repetem. Simplesmente acho que o dinheiro não me pertence. Nem as idéias geniais e cheias de originalidade.
Adeus glamour, riqueza e empreendedorismo... fui pensar em outras coisas banais.
Até logo.



f.@LL!NG>)B0Y