terça-feira, 20 de novembro de 2012

Alucinações sobre o Nada, ou Berenice

Uma mulher exclusiva e incensada. Uma hipster da  poesia e agricultura.
Eu, Berenice, a bipolar, a original, a pura!
Muito prazer. Enchantée.

Começo assim, inspirada e catastrófica:

Eu, Berenice Agricultora:

Com esse sol cheio de glamour eu queria me bronzear até ficar vermelha. Estar na praia e virar croquete de areia, comer frango embaixo do guarda-sol.
Ou talvez ser a louca desvairada do mato. Brincar de campeonato!
Comer cogumelos alucinógenos e pitangas radioativas, fumar manjericão até ter uma bad trip, ou beautiful, sei lá. Tô meio confusa.
Sou uma versão mentirosa de mim mesma, certamente.
Enfim. Tudo que é bonito me comove.
Preciso me distrair um pouco da realidade, preciso algo que me renove.
Vou incorporar na dança da manivela enquanto fizer o ritual de purificação da farinha. Vou ser a diva de uma seita vegetariana qualquer e arrasar na cozinha.
Vou ser a fina flor da nobreza.
Virar amazona do agreste cavalgando porcos. Vou puxar as tetas das vacas. Estar em contato com a natureza.
Sempre sonhei em ter uma vida bandida capinando. Já imaginaram ter uma plantação de cenouras para sonhos eróticos? Ou ser uma pistoleira de mandiocais?
Vou me jogar no rio pelada, nadar em rumo ao nada, penso eu. Me afogar. Fazer coisas legais.


Termino assim, repetitiva e escatológica:

Eu, Berenice Poetisa:
(inspirada em Hilda Hilst)

Numa linda tarde sombria,
Na aldeia de Jancacú,
Nascia um lindo menino,
Com o lindo nome de cú.

Aos nove anos de idade,
Inteligente, pra chuchu,
Todos se admiravam,
Com a inteligência do cú.

Aos dezoito anos de idade,
Na carreira militar,
Com muito esforço e esmero,
O cú começou a brilhar.

Numas daquelas batalhas,
Aquela, de Jaburú,
Veio uma flecha perdida,
E furou o olho do cú.

No dia do seu enterro,
O General Jancacú,
Leu uma prece comprida,
Enfiou uma vela no cú.


PS:. Estou encantada comigo mesma. Isso é tudo. Preciso me acalmar da overdose de lirismo antes que seja tarde demais. Nada é o que parece ser.
Hoje estou altamente poética. Não vá se contaminar.




"Para ler ouvindo: Guns n' Roses - Welcome to the Jungle"




fall!n.G.b()y



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!!